quinta-feira, 16 de junho de 2011

Intervenção do Secretário Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos






Texto integral da intervenção do Secretário Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos, José Contente, proferida hoje, na inauguração da Estação CTBO da Graciosa:

“No âmbito da visita estatutária do ano transacto, já havia sido apresentado o projecto da estação de infrassons IS42 da Graciosa, integrada no Sistema Internacional de Monitorização (IMS - Internacional Monitoring System), da responsabilidade da Comissão Preparatória da Organização do Tratado sobre a Proibição Total de Ensaios Nucleares (CTBTO). Esta entidade opera no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU), tendo como principal objectivo o estabelecimento de um regime global de vigilância para monitorizar o cumprimento do estipulado no tratado de proibição total de ensaios nucleares. Portugal inclui-se no conjunto dos 182 países membros assinantes do Tratado e no conjunto dos 153 países que já o ratificaram integralmente. Como então afirmou o senhor PGR a concepção dos Açores como Região de valor no contexto internacional ganha, assim, também neste caso, uma projecção acrescida.

O IMS integra uma rede composta por 337 estações de diversos tipos (sísmicas, infra-sons, hidroacústicas e de radionuclídeos), encontrando-se, actualmente, 264 certificadas. Os Açores revelam, deste modo, uma importância crescente nos domínios do desenvolvimento científico e tecnológico e de suporte e apoio à segurança mundial, assumindo, neste contexto, uma posição de destaque, sendo o único território nacional a incluir 3 estações do IMS, nomeadamente a estação hidroacústica HA07, em operação certificada na ilha das Flores, a estação de radionuclídeos RN53, em Ponta Delgada, certificada no último trimestre de 2010, e a estação de infrassons IS42 da Graciosa, que hoje inauguramos oficialmente e que vem contribuir decisivamente para uma melhoria de desempenho da rede a nível mundial, através de uma melhor cobertura do Atlântico Norte.

Assim, passado um ano da sua apresentação, e conforme as expectativas previstas, a infra-estrutura encontra-se concluída e a operar, tendo obtido, após uma fase bem-sucedida de testes, a certificação formal, em 2 de Dezembro de 2010, pela Internacional Monitoring System Division da Provisional Technical Secretariat (PTS), sedeada em Viena.

É neste local, cujo espaço e instalação contou com a parceria da Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa, que se situa a Central de registo e recepção de dados, dos vários elementos da estação, que são transmitidos, via satélite, para serem processados pelo Centro Internacional de Dados localizado em Viena.

Paralelamente à instalação da infraestrutura enquanto tal, que se concretizou no ano transacto, outros trabalhos complementares foram entretanto implementados, sobretudo ao nível da melhoria de acessos/caminhos, limpeza, de ligação a estruturas complementares de apoio para completa autonomia, ou ainda de simples reporte de aspectos relacionados com a sua manutenção futura. Os mesmos, não colidindo com a operacionalidade da estação propriamente dita, corresponderam à necessidade de atender a pequenos detalhes solicitados pelos privados que autorizaram os acessos, a passagem e a instalação da infraestutura nos seus terrenos e à prevenção face às condições de protecção da estação e dos acessos em termos futuros.


É nesse sentido que se releva a profícua colaboração entre os parceiros envolvidos no projecto, sob a coordenação do Governo Regional dos Açores, através da SRCTE, partilhada e suportada pelo Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos da Universidade dos Açores (CVARG), interlocutor essencial no acompanhamento dos trabalhos, em ligação permanente com os técnicos do CTBTO e com as empresas responsáveis pela instalação da rede de comunicação e energia (Tegael, Telecomunicações, Gás e Electricidade, S.A) e pela preparação dos terrenos, acessos e instalação da infra-estrutura (Aero Solutions, LCC).

Releva-se, também, o papel da Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa, no apoio incondicional à implementação do projecto, na colaboração com o GRA, com as empresas e no contacto e ligação com os proprietários privados. Para estes últimos, um agradecimento especial pela forma como acarinharam o projecto, permitindo a respectiva implementação nos seus terrenos.

Seguir-se-á, pois, daqui em diante um período de funcionamento regular da estação. A sua operação e manutenção irão ficar à responsabilidade do Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos da Universidade dos Açores, a quem são sobejamente reconhecidas as suas competências técnico-científicas, a quem desejamos o maior êxito na concretização desta missão e na divulgação da estação e a quem se agradece toda a colaboração prestada.

A estação já foi apresentada internacionalmente em poster científico "IS42 Graciosa (Azores): A new IMS certified infrasound station in the North Atlantic” na Assembleia Geral do European Geosciences Union (EGU) que decorreu em Viena de 03 a 08 de Abril de 2011, assim como consta na brochura promocional da CTBTO que divulgou a Science & Technology Conference 2011, (que decorreu recentemente em Viena, de 8 a 12 de Junho), no âmbito da qual o CVARG também apresentou abstract científico da estação.

Agora haverá que tirar o melhor partido e usufruto dos benefícios desta infraestrutura, dignificante e emblemática para a Região, no contexto dos acordos internacionais de manutenção de paz no mundo, mas, também, porque se revela potenciadora de qualificação técnico-científica e tecnológica avançada, com inerentes mais-valias para a comunidade científica regional e para a sua projecção no contexto nacional e internacional. Por outro lado, a sua localização numa ilha pequena terá sempre repercussões socioeconómicas decorrentes dos trabalhos de acompanhamento da infra-estrutura e da atracção e curiosidade, inclusive, do ponto de vista científico-turístico.

Aliás já é notório o interesse científico internacional que a estação IS42 da Graciosa começa a despertar, assim como a satisfação da CTBTO pelo seu bom funcionamento, o que permite antever o seu êxito e a sua consagração como um projecto estruturante e qualificante para os Açores.

O Governo regional reafirma que este projecto, e outros da mesma natureza, como o da Estação da ESA, em Santa Maria; o Pico-Nare, ligado a questões climáticas; o Green Islands; ou as futuras novas estações de geodesia e radioastronomia das Flores e Santa Maria, integradas na Rede Atlântica de Estações Geodinâmicas Espaciais –, aproximam a nossa Região de novos pólos de investigação e fazem dos Açores uma plataforma de cruzamento de saberes e experiências, que podem e devem ser transferidos para o desenvolvimento regional. São também, é justo dizê-lo, consequência de um trabalho persistente do Governo dos Açores na gestão destas atractividades.

Parabéns à Universidade dos Açores e à Graciosa!”


GaCS/VS

Publicado por: Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário