terça-feira, 10 de novembro de 2009

Igreja dos Açores decidiu prioridades para os próximos anos


A formação para o anúncio e testemunho da mensagem cristã, as novas formas de pobreza, a família, e a reconciliação com o mundo e com Deus são algumas das prioridades da diocese de Angra para os próximos anos.


Em entrevista à Agência ECCLESIA, o Pe. Ricardo Henriques afirmou que a assembleia sublinhou a importância de “continuar a inventar soluções” para os desafios que a sociedade coloca à Igreja.


As opções resultaram do Conselho Diocesano Pastoral, que se realizou entre 6 e 8 deste mês. O encontro realizou-se no âmbito das celebrações dos 475 anos da diocese, ocorridos a 3 de Novembro.


O comunicado do Conselho Pastoral Diocesano sublinha a acção que tem sido desenvolvida pelas paróquias, movimentos eclesiais e Institutos de Vida Consagrada, bem como pelas pessoas que “pela sua competência e espírito eclesial, mesmo sem dar muito nas vistas e sem procurar visibilidade, dão o melhor de si para bem de todos, como fermento na massa”.


Unidade na diversidade


O último triénio foi marcado pela insistência na importância da transmissão da fé. Para o sacerdote responsável pelo Serviço de Apoio à Pastoral das Comunicações Sociais, os planos da diocese procuram estar em sintonia com a Igreja universal, embora haja “muita diversidade” e “ritmos diferentes” entre as ilhas.


Nos Açores, “as pessoas são naturalmente religiosas”, mas a expressão dessa característica tem aspectos comuns e diferenciados. O culto ao Espírito Santo é comum a todas as ilhas, mas as celebrações locais acentuam dimensões específicas. Por seu lado, as romarias na Quaresma são “praticamente um fenómeno próprio de S. Miguel”, que no entanto se está a estender a outras regiões do arquipélago, sobretudo por iniciativa dos leigos.


Em todas estas manifestações, “há uma religiosidade popular que precisa de ser enformada pela fé”, observou o Pe. Ricardo.


Dívida é controlável


O valor recolhido no ofertório das missas deste Sábado e Domingo destinou-se à diocese, que pretende saldar a dívida acumulada.


Apesar de não saber quantificar o valor do débito, o Pe. Ricardo Henriques referiu que, “pelo que tenho percebido das palavras do senhor Bispo, dá a impressão que a dívida, embora seja grande, está controlada” pelo que “a diocese consegue prover aos seus contractos, acho eu”.


Semana da Diocese


Assinalou-se neste Domingo o Dia da Igreja Diocesana. Além do encerramento do Conselho Pastoral, a ocasião foi evocada na missa celebrada na Sé e em todas as paróquias e ouvidorias dos Açores. À noite, a catedral acolheu um concerto comemorativo.


A Semana da Diocese, que começa esta Segunda-feira, será marcada por diversas iniciativas. A 13 de Novembro assinala-se o 50.º aniversário da criação do Secretariado Diocesano da Catequese. A festa ocorrerá a 22 deste mês, no Centro Comunitário de São Bento, pelas 15h00, contando com a presença dos catequistas da Ilha Terceira.


No dia 14, às 10h00, reúne a assembleia diocesana dos Movimentos Laicais, em Angra do Heroísmo, na Casa das Obras Católicas.


Entre 13 e 15 decorre e assembleia-geral da Cáritas dos Açores, no Lar de Santa Maria Goretti, igualmente em Angra.


No próximo Domingo, pelas 18h00, o bispo, D. António Braga, presidirá na Sé à missa de encerramento das Semanas da Diocese e dos Seminários.


Do programa fazem também parte a ordenação presbiteral do Diác. Marcos Miranda, a 28 de Novembro, na Catedral, às 15h00. No mesmo dia, pelas 19h00, será inaugurada uma exposição alusiva aos 475 anos da diocese, no

Museu Carlos Machado, em Ponta Delgada.

Fonte: Agência Ecclesia

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário