sábado, 17 de outubro de 2009

Adega Cooperativa da Graciosa expõe maravilhas da ilha Branca na EXPOTERCEIRA


Inserido no espaço “gourmet” da ExpoTerceira encontra-se o stand da Adega Cooperativa da Graciosa. Os produtos tradicionais da ilha Branca preenchem o cenário, com destaque aos alhos, ao vinho, à angélica, às aguardentes e aos doces de uva e meloa.


A Adega Cooperativa da Graciosa (ACG) está representada na ExpoTerceira com um espaço na zona destinado ao “gourmet”. Nos 9m² que os produtos mais tradicionais da ilha estão elegante distribuídos. O destaque principal vai para um produto em clara ascensão, os alhos, mas não foram esquecidas outras referências da Graciosa, como os vinhos, as aguardentes, as angélicas e os doces de uva e de meloa.


“Os alhos da Graciosa são um produto gourmet que queremos divulgar bastante, mas também trouxemos dois vinhos brancos, nomeadamente o Pedras Brancas VQPRD, o único dos Açores, e o Pedras Brancas regional, trouxemos ainda aguardentes e angélicas, e uns caseiros doces de uva e de meloa”, enumera João Picanço, presidente da adega.

O mercado da Terceira

A relação comercial entre a ilha Terceira e a Graciosa é antiga. Muitos são os que defendem que essa relação deveria ser fortalecida, mas as contrariedades dos transportes têm dificultado a criação desses laços mercantis. Para João Picanço esta feira multisectorial é uma oportunidade para a adega cooperativa mostrar o potencial dos seus produtos, relembrando a importância de outros tempos, e abrir portas a pontos de venda ou representadores das suas marcas na ilha.


“O nosso objectivo é encontrar empresários locais que abram espaço para que os nossos produtos tenham visibilidade junto do consumidor”, refere o responsável da ACG. Apesar de a exposição ter aberto portas na quinta à noite, “o primeiro dia foi bom, uma vez que até já se estabeleceram alguns contactos com possíveis interessados”, reforça.


De entre os possíveis mercados escoadores de produtos da adega na região, a ilha Terceira é o que se reveste de maior importância. A maior dimensão populacional, a proximidade, tão importante para os produtos mais perenes, e a tradição, uma vez que as ligações sociais da Terceira à Graciosa são muito fortes, constituem argumentos de peso para os responsáveis da ACG investir na prospecção junto do empresários locais.


No entanto as dificuldades têm sido muitas, como descreve o presidente da adega: “não podemos entrar nas grandes superfícies porque não temos preços competitivos. Os nossos produtos são em pouca quantidade e por isso temos apostado na qualidade de excelência, voltada para um segmento mais gourmet, mas a crise generalizada um obstáculo complicado de ultrapassar”.


Degustação

Fundada em 1962 e com instalações em Santa Cruz da Graciosa, a adega conta com cerca de 30 associados, divididos pelos sectores do alho, vinho e meloa.


Na ExpoTerceira a cooperativa preparou para os quatro dias um conjunto de produtos para os visitantes degustarem. Desse modo tanto empresários como consumidores podem avaliar as potencialidades e qualidades das matérias-primas. “Tirando o alho, por motivos óbvios, as pessoas podem provar tudo e descobrir o que de melhor temos na nossa ilha”, sublinha.


Para chegar ao espaço da adega os visitantes terão de se deslocar ao pavilhão da direita, junto à entrada principal, mais propriamente na “zona gourmet”.


Fernando Pereira

Fonte: A União

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário