quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Intervenção do Subsecretário Regional das Pescas


Texto integral da intervenção Subsecretário Regional das Pescas, Marcelo Pamplona, proferida hoje, na cerimónia de lançamento da 1.ª Pedra da obra de melhoria das condições de abrigo no sector de pescas do porto da Praia da Graciosa:



“É com profunda satisfação que sinalizamos, hoje, o início desta obra de melhoramento das condições de abrigo deste porto de pescas da Praia.


Com esta intervenção conseguimos melhores condições de funcionamento do ramo do nosso sector produtivo, com maior tradição nos Açores, em especial numa das ilhas da Coesão. Os pescadores Graciosenses ficarão assim com melhores condições de trabalho e de segurança, nesta zona portuária, que já se encontra dotada de infraestruturas e equipamentos ao serviço destes profissionais, que merecem o reconhecimento de todos os açorianos.


A obra que agora principiamos, representando um investimento de cerca 750.000 euros, é fruto de uma aposta numa atividade piscatória, que tem um grande historial nesta ilha, desde os primórdios do seu povoamento, e que ainda hoje é de grande relevância para a economia Graciosense.


A empreitada que estamos a começar prevê o fecho da entrada, através da alteração do canal de acesso, de 26m para 19m, de forma a reduzir a agitação no interior da bacia portuária, o prolongamento do atual cais de aprestamento em aduelas de betão com 27 m de comprimento e 6,5 m de largura, permitindo mais de 15 metros de espaço de acostagem, a colocação de prisma de dissipação adjacente ao novo cais, bem como a instalação de novo farolim de assinalamento marítimo na nova entrada do porto.


Com esta obra garantimos, seguramente, uma evolução qualitativa nas condições de abrigo das embarcações da pesca artesanal que centram a sua atividade a partir deste porto.


Hoje é perfeitamente visível a toda a sociedade, graciosense e açoriana, a reforma que encetámos, no nosso sector das pescas.


No âmbito da nossa rede regional de portos, para além do esforço de recuperação de um património que, de forma displicente, foi abandonado durante duas décadas após a nossa autonomia, construímos novos portos, como este, com pontões flutuantes, terraplenos, lota que equipada com viveiros para conservação de crustáceos e com estrutura para transformação de pescado, casas de aprestos, edifício para apoio à associação e à formação profissional, grua e pórtico de varagem, proporcionando, ano após ano da nossa governação, melhores condições de apoio em infraestruturas públicas e equipamentos ao serviço dos nossos pescadores.


Por mais que alguns queiram fingir que não veem, a verdade é que a obra está à mostra e está ao serviço de uma classe profissional, que exerce uma atividade económica difícil, mas que consegue promover o nome dos Açores bem longe, em muitos lugares do mundo. O peixe dos Açores capturado pelos pescadores açorianos, com a qualidade que tem é, sem sombra de duvida, um dos melhores peixes do mundo.


A pesca não tem só uma importância económica. Os nossos recursos piscícolas são uma reserva estratégica, fundamental para a garantia do nosso abastecimento alimentar. Por isso é essencial acautelar a sustentabilidade dos nossos stocks, através de medidas que consigam proteger os recursos e as comunidades que dependem da pesca de proximidade, para garantir uma atividade com rentabilidade a longo prazo.


É pela importância estratégica que este património marinho representa para a nossa Região que continuaremos a assumir com firmeza a salvaguarda da nossa ZEE junto das instâncias comunitárias.


Nesta legislatura vamos continuar a apoiar os armadores na modernização das suas embarcações, tendo em vista conseguir uma melhor conservação de pescado a bordo e também possibilitar a instalação de novos equipamentos e estruturas, que permitam diversificar e valorizar as capturas da nossa frota. Para isso é essencial que os pescadores graciosenses diversifiquem as suas capturas e aproveitem a safra do atum para garantirem maior rentabilidade na sua atividade extrativa.


Uma palavra de apreço também à Associação dos Pescadores Graciosenses, pela disponibilidade que tem demonstrado, ao longo destes anos, para partilhar tarefas e responsabilidades no âmbito da gestão do sector. Exorto agora a associação em envolver-se mais em projetos coletivos, utilizando as estruturas e equipamentos públicos postos à sua disposição, de forma a valorizar comercialmente o pescado capturado pelos seus associados.


Sabemos que já fizemos muito no sector das pescas, mas sabemos também que temos ainda muito trabalho pela frente. Em conjunto com os profissionais do sector, como estamos agora a fazer na Graciosa, continuaremos a investir, com determinação, no desenvolvimento e na modernização do sector das pescas dos Açores.”



GaCS

Publicado por: Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário