domingo, 6 de março de 2011

Censo de Milhafres: Um voo de fim-de-semana!



A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) organiza nos próximos dias 26 e 27 de Março o VI Censo de Milhafres no Arquipélago dos Açores. Mais uma vez, a colaboração dos voluntários será fundamental.


O Censo de uma das aves mais emblemáticas dos Açores está à porta!


Num mês pautado pelo Dia de Carnaval, Dia do Pai e Dia da Primavera, haverá também não um Dia dos Milhafres, mas dois!


O conhecido Milhafre ou Queimado, terá assim um fim-de-semana só para si!


A SPEA coordena anualmente este Censo, onde os voluntários são fundamentais para recolher informação sobre as populações desta espécie que, ao contrário de outras, não tem ainda sido alvo de estudos aprofundados. É por esta razão que esta iniciativa consiste num relevante contributo para a ciência.


O objectivo é conhecer melhor o número de milhafres que existem no arquipélago dos Açores através de um método simples e prático que permite a praticamente qualquer pessoa ajudar na recolha da informação. “Ser cientista por um dia”, é mesmo o lema da SPEA para esta campanha.


Surge assim a sugestão para que a população aproveite o fim-de-semana para dar um passeio, com amigos ou familiares e participe nestas contagens. Os dados a recolher são simples e não exigem conhecimentos especiais, para além de saber identificar o Milhafre!


Esta espécie pode ser observada por todo o lado (zonas florestais, áreas costeiras, de pastagens e mesmo zonas urbanas), alimenta-se maioritariamente de roedores e sofre algumas ameaças como a perseguição do Homem, o envenenamento ou a electrocussão em linhas eléctricas.


Com uma envergadura de 110 a 130 cm, pode ser visto sozinho ou em grupo, a voar, a pairar, pousado no solo, em cima de cercas, muros, postes ou fios. Sendo a única ave de rapina diurna (a única espécie de “águia”) dos Açores, o Milhafre tem um importante papel ecológico e pode ser um indicador do estado dos nossos ecossistemas. O facto de muitas vezes se alimentar de animais mortos ou doentes (coelhos ou ratos, por exemplo) pode ajudar a prevenir o alastramento de doenças com vantagens para a saúde pública.


No Censo realizado em 2010, 45 voluntários avistaram 331 milhafres nos cerca de 1000 km percorridos em 6 ilhas do arquipélago: São Miguel, Santa Maria, Terceira, Graciosa, São Jorge e Pico.


Segundo Carla Veríssimo, bióloga da SPEA e coordenadora do Censo na Região: ”este ano gostaríamos de contar com a participação de voluntários no Faial e aumentar a participação em São Jorge, Pico, Santa Maria e Graciosa. Será importante conseguirmos aumentar a informação em todas as ilhas, onde esta espécie existe”.


Já os habitantes das Flores e do Corvo apenas poderão contribuir se estiverem numa das restantes ilhas, uma vez que no grupo ocidental não existem milhafres.
Para mais informações deverão consultar o site www.spea.pt ou por telefone para o número 918536132.


A SPEA agradece a participação de todos os voluntários e espera tê-los na estrada no fim-de-semana de 26 e 27 de Março!


Para mais informações contactar:Carla VeríssimoCoordenadora do Projecto Linhas Eléctricas e Avifauna dos Açorestel 91 8536132carla.verissimo@spea.pt

Publicado por: Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário