sexta-feira, 31 de julho de 2009

Cavaco congratula-se com chumbo a Estatuto dos Açores


O Presidente da República, Cavaco Silva considerou esta sexta-feira, no Funchal, que prevaleceu "o superior interesse nacional", referindo-se à decisão do Tribunal Constitucional (TC) de chumbar várias normas de Estatuto dos Açores.

'É importante que tenha prevalecido o superior interesse nacional. Como Presidente da República sempre tenho pautado a minha actuação defendendo o superior interesse nacional e, por isso, congratulo-me com a decisão do TC', afirmou o Chefe de Estado, que acompanha os Reis de Espanha numa visita oficial à Madeira de três dias.

O chumbo do TC é, nas palavras de Cavaco, "um facto que deve merecer a nossa reflexão e com o qual também nos devemos surpreender". "Até agora mais de uma dezena e meia de normas do Estatuto Político-Administrativo dos Açores foram declaradas inconstitucionais, uma lei que tinha sido aprovada por larga maioria que no Parlamento açoriano, quer na Assembleia da Repúblia. Como é que isso foi possível?", questionou o Chefe de Estado, antes de entrar para a Câmara Municipal do Funchal.

Sobre as reacções políticas ao chumbo dos juízes conselheiros, Cavaco sublinhou que "todos devemos respeitar as decisões do TC e políticos que não respeitam o TC, acho que devem fazer uma reflexão séria para si próprios".

Apesar da decisão do Constitucional ter dado razão às críticas e dúvidas de Cavaco, o Chefe de Estado rejeitou que o acórdão seja uma "vitória" pessoal, mas antes defendeu ser "uma vitória do interesse nacional".

Recorde-se que o Estatuto dos Açores provocou uma ‘guerra' entre Cavaco Silva e José Sócrates, primeiro-ministro. O documento motivou dois vetos do Chefe de Estado, que há precisamente um ano interrompeu as férias para fazer uma declaração ao país.




quarta-feira, 29 de julho de 2009

Chegada do navio Viking aos Açores ainda sem data marcada


Ainda não há uma data precisa para a chegada do navio Viking aos Açores. Depois de sucessivos atrasos, a empresa responsável pelo transporte entre as ilhas do arquipélago disse que agora são as condições meteorológicas que impedem o navio de deixar o porto britânico de Falmouth rumo a Ponta Delgada.

Segundo disse o presidente da empresa Atlânticoline, António Raposo, «o navio está a aguardar a melhoria das condições meteorológicas que se fazem sentir naquela zona do Sul de Inglaterra».

O responsável explicou que o Viking foi já reparado da última avaria que sofreu, num compartimento de proa, depois de uma fissura de 30 centímetros no tanque de combustível de longo curso.

O Viking deveria ter entrado ao serviço da empresa a 22 de Junho. Contudo, as obras na adaptação dos portos açorianos motivaram um adiamento para 11 de Julho, a que se juntou outro, devido a um acidente com o piloto que deveria levar o navio de Liverpool para a Ponta Delgada. Sobre dúvidas levantadas relativamente ao aluguer do barco, António Raposo esclareceu: «O Viking foi fretado pela Atlânticoline à Transinsular porque entendemos ser essa a solução mais vantajosa e preferível»

O Viking tem capacidade para transportar 690 passageiros e 140 viaturas.


segunda-feira, 27 de julho de 2009

Açores destinam 2 M€ para complemento ao abono de família



O Governo Regional dos Açores anunciou hoje que o complemento ao Abono de Família abrange este ano mais de 50 mil crianças e jovens, num investimento global superior a dois milhões de euros.


O executivo açoriano revelou que este complemento, que pode atingir um montante máximo de 12 euros para os titulares do primeiro escalão do Abono de Família, será pago até ao final deste mês, com efeitos retroactivos a Janeiro.


O denominado Complemento Açoriano ao Abono de Família para Crianças e Jovens foi criado pelo governo regional com o objectivo de reforçar as prestações familiares no arquipélago, procurando minimizar encargos como as despesas com habitação e bens alimentares que resultam do aumento do número de filhos.


domingo, 26 de julho de 2009

Decorrem em bom ritmo as obras de ampliação do Museu da Graciosa



Obras no museu da Graciosa orçadas em 920 mil euros. Este projecto prevê o aumento da área do espaço de 376 para 549 metros quadrados.


O projecto de intervenção no edifício de Santa Cruz onde, em 1983, aquela instituição abriu como Casa de Etnografia, prevê a ampliação das respectivas instalações de 376 para 549 metros quadrados.
A área útil a acrescentar às actuais instalações do museu, que comportará espaços de acolhimento – recepção/posto de turismo, cafetaria e loja – serviços administrativos, locais exposições temporárias e permanente e salas de reserva de Serviço Educativo, foi planeada para conviver com o edifício pré-existente, que alberga, e continuará a acolher, uma zona de exposição e interpretação de lagares e colecções etnográficas ligadas à vitivinicultura.
Em Setembro de 1978 e por proposta da Secretaria Regional da Educação e Cultura, foi adquirido o imóvel para a instalação do espólio etnográfico da Ilha Graciosa que, pouco a pouco, foi recolhido.
Em Janeiro de 1982, iniciaram-se as obras de consolidação e restauro do imóvel e sua electrificação, com supervisão da Direcção Regional dos Assuntos Culturais - departamento a quem coube as responsabilidades financeira e técnica.
O edifício foi inaugurado no ano de 1983 com um programa expositivo assente na etnografia. Foram encenados espaços ilustrativos da casa rural graciosense e das actividades que marcaram o passado sócio-económico da ilha: as culturas dos cereais e do vinho. Em 1991, o Museu da Graciosa alarga a sua expressão geográfica e passa a polinucleado, numa perspectiva de Ecomuseu. Foi nesse contexto que, durante a década de 90, foram constituídos outros núcleos: o Barracão das Canoas Baleeiras de Santa Cruz, o Núcleo Marítimo, o Moinho de Vento, a Tenda de Ferreiro e a Casa das Debulhadoras, local onde presentemente estão instaladas as reservas do museu.
O acervo patrimonial dos seis Núcleos do Museu da Graciosa é vasto e constituído por um conjunto diversificado de colecções, resultantes de alguns depósitos, aquisições e doações locais. Em termos cronológicos, vai do séc. XV até aos nossos dias.
As colecções dos núcleos do Museu da Graciosa, são de temática essencialmente etnográfica, com forte incidência nas actividades tradicionais da ilha, ligadas à agricultura, à vinha, à trituração de cereais, ao equipamento doméstico, aos ofícios antigos e à baleação.
Além das colecções etnográficas citadas, no museu existem ainda colecções de moedas, postais, fotos antigas e recentes, jornais antigos, documentos relativos à ilha Graciosa, livros e documentos de Direito do séc. XIX e XX, numismática, vestuário, armaria e condecorações.







Fonte: Expressodasnove.pt

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Navio Viking chega no próximo fim semana


O Viking, o segundo navio para a operação de transporte marítimo de passageiros e viaturas entre as ilhas açorianas, deverá chegar a São Miguel, nos Açores, no próximo fim-de-semana, anunciou hoje a Atlânticoline.

Uma fonte da empresa acrescentou à agência Lusa que o Viking "deverá iniciar a operação durante a próxima semana".

O início da operação do segundo navio tem vindo a ser sucessivamente adiada, tendo o último atraso sido provocado pela descoberta há duas semanas de uma fissura de 30 centímetros no tanque de combustível de longo curso, quando o Viking estava a ser abastecido em Liverpool para iniciar a viagem para os Açores.

Num comunicado, a Atlânticoline, empresa responsável pelo transporte marítimo de passageiros entre as ilhas, adianta que o navio saiu hoje do porto de Liverpool, no Reino Unido, às 13:30 locais (mais uma hora no continente) e a sua chegada a Ponta Delgada está prevista ocorrer na "noite de sábado para domingo".

"Na sequência das inspecções realizadas pela Maritime and Coastguard Agency (MCA), Registro Italiano Navale (RINA) e pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM), o navio já iniciou a viagem entre o porto de Liverpool, no Reino Unido, e Ponta Delgada", refere.

A empresa acrescenta ainda que o Viking "operará sob o Sistema de Gestão de Segurança da Atlânticoline, recentemente certificado pela MCA".

O Viking deveria ter começado a operar a 22 de Junho, mas a data teve que ser adiada para 11 de Julho devido a atrasos nas obras de adaptação aos portos açorianos.

Depois, e na sequência de um acidente com o piloto que deveria trazer o navio de Liverpool para Ponta Delgada, o início da operação foi novamente adiado para 13 de Julho, uma data que também acabou por não ser cumprida, devido à descoberta do problema no tanque de longo curso.

A operação deste ano de transporte marítimo de passageiros deveria ter arrancado a 13 de Maio com o navio Atlântida, tendo a segunda fase início em meados de Junho com o navio Express Santorini.

O diferendo com os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, que culminou com a recusa do Atlântida por parte do governo açoriano, obrigou a arrancar a operação com o Express Santorini, implicando a necessidade de encontrar um segundo navio para a segunda fase.

A Atlânticoline escolheu o Viking, contudo a sua utilização nos portos açorianos implicou adaptações, nomeadamente a colocação de uma porta lateral.

Construído em 1997, em Itália, o navio Viking tem cerca de 100 metros de comprimento e consegue atingir uma velocidade de 35 nós, com capacidade para transportar 690 passageiros e 140 viaturas.

Já o Express Santorini, que mede 117 metros, atinge uma velocidade máxima de 19,5 nós, tendo capacidade para 650 passageiros e 120 viaturas.


Fonte: Expresso

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Ilhas da coesão vão ter Internet gratuita



Os espaços públicos de maior afluência nas ilhas da coesão, na Região Autónoma dos Açores, vão ser equipados com Internet gratuita via wireless.

A iniciativa resulta de um contrato, assinado a 9 de Julho, e garante a aquisição e instalação de equipamento de rede que possibilitará a difusão do sinal nas ilhas de Santa Maria, S. Jorge, Graciosa, Flores e Corvo. O contrato representa um investimento que ronda os 85 mil euros.

O projecto «Wi-Fi das Ilhas da Coesão», uma iniciativa da Secretaria Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos do Governo Regional dos Açores, estará operacional no próximo mês de Setembro, a tempo do arranque do próximo ano lectivo.

Fonte: IGOV

terça-feira, 21 de julho de 2009

Um padre apaixonado pelo mar da Ilha Graciosa

João Brasil, sacerdote, páraco de São Mateus na Ilha Graciosa, é um apaixonado pelo mar.


Ligado umbilicalmente ao mar, o Pe. João Brasil gosta de ir pescar nos tempos livres. Com 44 anos (30 de Julho de 1965), este sacerdote da diocese de Angra nasceu na Ilha de S. Jorge e, actualmente, é pároco na Ilha Graciosa. "Comprei um pequeno barco com os meus irmãos e pescava com familiares e amigos" - disse à Agência ECCLESIA.


Nas lides piscatórias, o padre pescador esclarece que não faz pesca de rede. Apenas "submarina, miudeza e, menos vezes, a pesca do alto". E acrescenta: "tipo de pesca artesanal". A cana, a linha e o anzol são utensílios essenciais para ocupar os tempos livres. Ordenado sacerdote a 25 de Junho de 1989, este pescador sublinha que "nem sempre se consegue tirar peixe".

Quando o grupo de amigos se junta e o mar está propício, o barco é o companheiro na ondulação. "Vamos pescar para fazermos uma jantarada" - disse. Quando a faina é boa, este grupo de amigos não vende o peixe. Se sobrar "damos às pessoas". Os açorianos têm o mar no sangue e quando "temos um bocadinho de tempo vamos relaxar, descansar e pescar para o mar".

Como o mar não é para brincadeiras, o Pe. João Brasil vai sempre com os amigos para o Oceano Atlântico. Após a pescaria, as brasas esperam pelo fruto do hobby. Na confecção, "todos fazem qualquer coisa". Enquanto uns abrem o peixe, os outros preparam a mesa para o repasto da comunhão.

Este pescador não gosta de ser conotado com o ditado popular - «Pescador e Caçador são uns exagerados» e confessa que não sabe "nem o tamanho, nem o peso dos peixes" que a linha trouxe com a ajuda do isco. "Não ligo a records". O lírio, chicharro, veja, garoupa e o sargo são as espécies mais abundantes no mar que banha a ilha Graciosa. "Temos também a miudeza - peixes mais pequenos - que servem para fritar" - esclarece.

O Verão é a estação preferida para as pescarias. "No Inverno o mar está mais perigoso, por isso vamos poucas vezes". Não se aventuram a percorrer muitas milhas. "Para pescar não é preciso ir muito longe, temos aqui algumas baías".

Para além de ser pescador em part-time, o Pe. João Brasil é também instrutor de mergulho de garrafa. "Sou instrutor de escafandro" - explica. Lentamente, tirou o curso com uns amigos e dá aulas nesta área. Actualmente, "estamos a dar um curso a onze pessoas".


A pesca submarina é outra paixão. "É diferente porque temos de ir para as «baixas» (rochas mais afastadas) onde existem pesqueiros". Com o barco ao largo - "fica sempre alguém a tomar conta da embarcação" - e o seu equipamento, o Pe. João Brasil mergulha na busca do peixe e das belezas do mar. O medo elimina-se com a experiência, mas "já apanhei alguns sustos: tempestades e tubarões". Também já visualizou baleias, todavia estas "passam mais na zona da ilha do Pico e do Faial".

As regras estão estabelecidas. Na pesca submarina não se pode "apanhar mais de dez peixes" por pessoa. Se o número for superior, "estamos sujeitos a uma multa da Polícia Marítima". Nas lides piscatórias nem sempre corre tudo bem. "Às vezes perde-se um arpão, uma arma ou a bóia com o peixe" - reconhece.

Este sacerdote não tem medo dos peixes. Já os conhece e sabe os seus hábitos. "As moreias estão lá nos seus buracos e não temos nada que colocar lá as mãos" - disse. Este pescador consciencioso só "apanha o peixe necessário". Olha para o futuro e fica preocupado com o desaparecimento de algumas espécies.




Os golfinhos são os parceiros predilectos neste sobe e desce das ondas. "Vêm brincar, muitas vezes, para a proa do barco". Para além destes cetáceos, os paroquianos são os companheiros de viagem. "Somos poucos padres e cada um tem as suas acções pastorais".
De forma oval e com cerca de 60 Km2 de superfície, a Ilha Graciosa tem quatro paróquias: Praia (S. Mateus); Santa Cruz, Guadalupe e Luz. Pouco montanhosa, plana e baixa na área norte e nordeste, eleva-se lentamente até à altitude de 398 m no Pico Timão, localizado no centro. O Pe. João Brasil tem a seu cargo a paróquia da Praia - cujo padroeiro é S. Mateus - e também joga futsal, tocou violão num rancho folclórico da Ilha de S. Jorge e é professor de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC).

No mergulho amador, o limite de profundidade "não nos deixa passar dos 40 metros". Uma descida por etapas com a ajuda de um "computadorzinho que nos regula" e transmite a informação correcta e os "tempos de descompressão". Com paragens obrigatórias, os mergulhadores devem saber "as sequências" para que o organismo não sofra as sequelas.

Nas profundezas do oceano, este padre da Ilha Graciosa sente-se no "mundo do silêncio". E acrescenta: "é o melhor que os Açores têm". Ao falar das cores que iluminam o oceano, o Pe. João Brasil esclarece: "com a profundidade vão-se perdendo algumas cores". Desaparece o vermelho, o amarelo... O mergulho tem "outra beleza" até aos 20 metros de profundidade. Com a sua máquina fotográfica regista estes segredos do mar. "É um hobby muito engraçado".

A timidez da sua voz indica-nos o caminho... Aponta-nos para o transcendente e as razões deste misticismo. "Habituámo-nos a viver sozinhos e fechados pelo mar". Este é "o primeiro companheiro", por isso "o açoriano é introvertido por natureza".

Apesar de considerar o mar como companheiro, este sacerdote não tem o hábito de ir sozinho para o oceano. "Pode acontecer algo... uma das regras de segurança é ir acompanhado". Olhar o estrelado do céu e sentir o baloiçar das ondas também não é muito aconselhável. "Também não gosto. Já fiz mergulho nocturno e não gostei muito" - confessou.


Tal como a movimentação marítima que «beija» as ilhas de bruma, o nevoeiro inicial do diálogo começa a desvanecer-se. A contrariedade existente no arquipélago - vulcões e terramotos - "ajuda a ligarmo-nos ao transcendente". Em certas circunstâncias considera-se introvertido. "No início sou..." - confessa.

Os sismos moldam a personalidade do açoriano e a tradição religiosa popular centra-se no pedido de auxílio. Nossa Senhora da Saúde e Nossa Senhora do Socorro são expressões "utilizadas com frequência".

Tem duas embarcações - «S. Mateus» (faz parte de uma sociedade) e o «Trimix». O Pe. João Brasil explica o porquê dos nomes dos barcos. O Trimix é um barco de fibra - com 5 metros e 45 centímetros - e esta expressão utiliza-se no mergulho. "É um mergulho com três misturas". Em relação ao S. Mateus, "colocámos este nome porque é o padroeiro da paróquia".

Conotado com a sua riqueza ao nível do peixe, o Pe. João Brasil frisou que, actualmente, "já não existe tanto peixe como as pessoas pensam". As redes "clandestinas estão a matar muito peixe" porque as pessoas "não cumprem as regras".

Foi para o seminário com 15 anos, mas sempre que estava de férias o mar recebia-o de braços abertos. "Os superiores do seminário não lhe diziam nada porque são açorianos e percebem esta ligação entre as pessoas e o mar". Enquanto nas ilhas maiores - caso de S. Miguel - existem freguesias de costas voltadas para o mar, nas ilhas mais pequenas - caso da Graciosa e S. Jorge - "muitas famílias não compram peixe". Há sempre uma que tem um barco e apanha peixe para os vizinhos. "Existe o sentido de comunidade e comunhão entre as pessoas". E completa: "Na ilha Graciosa não há uma peixaria".
Conhece as nove ilhas que compõem o arquipélago - Corvo, Flores, Graciosa, Pico, S. Jorge, Faial, Terceira, Santa Maria e S. Miguel - e quando lhe disse que estive duas semanas na Ilha do Corvo respondeu prontamente: "Isso é um acto heróico". Não teve problemas de adaptação na Graciosa porque as estas terras vulcânicas são "praticamente todas semelhantes".

Ordenado há 20 anos, o Pe. João Brasil esteve dois anos na Ilha das Flores, 10 em S. Jorge e está há oito anos na Ilha Graciosa. "Estamos sempre a aprender com os outros" visto que cada ilhéu tem a sua experiência de vida.

Com cerca de mil paroquianos e os serviços pastorais organizados, este padre considera-se próximo da população. "Devemos estar com as pessoas e movimentar os grupos existentes". E conclui: "a maioria dos apóstolos eram pescadores".

Fonte: Agência Ecclesia

sábado, 18 de julho de 2009

Federação das Pescas dos Açores pede suspensão de leis que condicionam pesca


«A elaboração de legislação que condiciona a actividade da pesca afecta gravemente as comunidades dependentes do mar e das pescas que vivem no interior das zonas abrangidas pelas interdições», refere um comunicado enviado à Lusa.

Para a federação, a preparação desta legislação «exigia a realização de debates em que participassem os interessados».

Segundo a Federação das Pescas, a questão já está a ser sentida em S. Miguel, onde as autoridades, com base no decreto legislativo regional que cria o parque natural desta ilha já proibiram a pesca «em extensas áreas da costa».

Em causa estão as zonas Caloura/Ilhéu de Vila Franca, Faial da Terra/Ponta do Arnel, Cintrão/Ponta da Maia, Porto das Capelas/Ponta das Calhetas e Mosteiros/Bretanha.

A Federação das Pescas está, no entanto, preocupada com a possibilidade do mesmo problema se estender a outras ilhas do arquipélago, atendendo a que já foi publicada legislação que cria os parques naturais das ilhas do Corvo, Pico, Faial, Graciosa e Santa Maria, aguardando publicação a que se refere aos parques naturais da Terceira, S. Jorge e Flores.

Nesse sentido, a federação «exige a imediata suspensão dos decretos, no que respeita às zonas marítimas», mas também «a sua discussão com as comunidades piscatórias afectadas».

Por outro lado, esta entidade «deplora a actuação dos responsáveis regionais do ambiente», que considera ser «reveladora de desprezo e preconceito para com os pescadores e as comunidades ribeirinhas».


Fonte: SOL

terça-feira, 14 de julho de 2009

Primeiro Rali Ilha Graciosa

No próximo dia 18 de Julho de 2009 terá lugar o 1º RALI ILHA GRACIOSA.

Esta prova é neste ano excepcionalmente pontuável para a TAÇA DE RALIS ILHA TERCEIRA, evento da responsabilidade da empresa Olavo-Esteves Competições e i apoio logístico do TAC Terceira Automóvel Clube.


Com o objectivo de trazer grandes eventos à Ilha Graciosa, foi estabelecida uma parceria com a AGRAPROME Associação Graciosense de Promoção de Eventos, entidade responsável pela promoção deste acontecimento desportivo.


Tendo em conta os aspectos de segurança directamente relacionados com o desporto automóvel, a organização decidiu proceder à distribuição desta notícia, contendo informações preliminares de relativa importância para o normal desenvolvimento do RALI.


  1. Deve assistir ao Rali em local seguro.

  2. A estrada encerra 1 hora antes da partida do primeiro concorrente.

  3. Caso se faça acompanhar de crianças, por favor tenha cuidado redobrado com as mesmas.

  4. Não leve animais consigo.

  5. Respeite todas as indicações dadas pela PSP e Organização da prova.

  6. Em caso de interrupção da prova, não saia do seu lugar sem indicação da Organização.

7. Estacione em local adequado, de forma a possibilitar a normal circulação de viaturas de emergência caso seja necessário.



PROGRAMA

PEC 1 - 11h00 -Vimiais 1 -3,650 mts

REC 2 - 12h00 - Vimiais 2 - 3,65o mts

REC 3 - 13h10 -Vitória / Barro Vermelho 1 - 4,430 mts

REC 4 - 14h20 - Vitória / Barro Vermelho 2 - 4,430 mts

REC 5 - 15h40 - Barro Vermelho / Vitória 1 - 4,460 mts

REC 6 - 16h50 - Barro Vermelho / Vitória 2 - 4,460 mts



ONDE VER - ZONAS ESPECTÁCULO


REC 1 & 2



Deve dirigir-se ao entroncamento do Caminho dos Vimiais com a Estrada Regional (Quitadouro):



Pode assistir ao Rali, no Alto do Quitadouro, sendo que este acesso é aconselhável a viaturas 4x4.

REC 3, 4, 5 & 6


Tome como ponto de referência o Triângulo do Calhau Miúdo, sendo o acesso a esta zona feito pelo lugar do Bom Jesus.

Desloque-se até ao triângulo do fundo da pista de aterragem, utilizando a Estrada dos Terreiros.

"INFORMAÇÕES GERAIS"

5ª Feira, 16 de Julho - 19h00 -Chegada do navio da Atlanticoline com a comitiva do Rali.

Parque de Assistência - Funcionará no Campo de Futebol (treinos).

Verificações técnicas - 6ª Feira pelas 17h00, na Praça Fontes Pereira de Melo.

Secretariado e Centro operacional do Rali - Funcionará junto ao Pavilhão Municipal de Santa Cruz.

Domingo, 19 de Julho - 19h30 - Viagem de regresso à Ilha Terceira.

Todas as informações sobre a Taça de Ralis Ilha Terceira em:



http://tacaralisilhaterceira.blogspot.com/

http://www.olavocompeticoes.no.sapo.pt/

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Governo financia acções de combate à flora invasora no arquipelago


O Governo Regional dos Açores anunciou esta segunda-feira que vai investir 300 mil euros até final do ano no financiamento de duas dezenas de acções de monitorização, controlo e erradicação de flora invasora em várias ilhas do arquipélago.

As acções, promovidas pela Secretaria Regional do Ambiente, incidem sobre 20 espécies exóticas, entre as quais a conteira, criptoméria, palmites, tabaqueira, acácia, erva confeiteira e feto das pastagens.

A hortência, o incenso, o silvado bravo e a madressilva dos Himalaias são outras espécies abrangidas nestas acções, que se inserem no Plano Regional de Erradicação e Controlo de Espécies de Flora Invasora em Áreas Sensíveis.

Ao abrigo deste plano, em S. Miguel, decorrem acções na Reserva Natural da Lagoa do Fogo, abrangendo uma área de 10 hectares, e na Paisagem Protegida das Sete Cidades, numa zona com 12 hectares.

Na Terceira, já foi adjudicada uma acção no Caminho Florestal do Algar do Carvão, estando em preparação iniciativas de limpeza de flora exótica nos trilhos da Terra Brava e da Lagoínha da Serreta.

A Serra Branca, na Graciosa, já foi palco de uma acção de limpeza de flora invasora, enquanto no Corvo, a mais pequena ilha açoriana, foi feita a monitorização dos trabalhos realizados em anos anteriores, tendo em vista a erradicação de novos focos que surgiram.

No Pico foram realizadas duas acções de monitorização e erradicação na Zona Especial de Conservação da Ponta da Ilha e na Paisagem Protegida da Zona Central, mais concretamente no Caldeirão da Ribeirinha, estando adjudicada uma intervenção na Paisagem Protegida da Cultura da Vinha.

As espécies exóticas invasoras são responsáveis por impactes negativos nas áreas que invadem, como a alteração de habitats, a degradação da qualidade da água e do solo, além da alteração da paisagem.

A invasão de espécies exóticas é considerada, a nível mundial, como a segunda maior causa de perda de biodiversidade, provocando graves prejuízos económicos.

A União Europeia gasta anualmente cerca de 13 mil milhões de euros para combater este fenómeno.


Fonte: AO Online

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Festas de Nossa Senhora das Dores


As festas de Nossa Senhora das Dores (em Santa Cruz da Graciosa) começam sexta-feira, dia 10 de Julho e terminam na Segunda-feira.

Para ver o respectivo programa queira, por favor, clicar aqui neste link:

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Intervenção do PS-Graciosa no Parlamento dos Açores

Intervenção do PS-Graciosa no Parlamento dos Açores.

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo .

Desde finais da década de noventa que a ilha Graciosa vem atravessando uma fase de desenvolvimento deveras significativo para os locais e para os que decidiram fazer opção de lá viver. Os investimentos feitos nas várias áreas, agricultura, pescas e economia já começaram a demonstrar que estavam correctos, aumentando assim o rendimento dos vários intervenientes.

Na semana passada o Governo Regional visitou a ilha Graciosa, pela primeira vez nesta legislatura, dando cumprimento ao Estatuto Político-Administrativo e continuando, através das decisões tomadas, a responder aos legítimos anseios dos Graciosenses, no prosseguimento de um caminho de desenvolvimento seguro e continuado.

Senhor Presidente da Assembleia

Senhoras e Senhores Deputados

Senhoras e Senhores Membro do Governo

No que diz respeito à área da Economia / Turismo foi inaugurada uma obra que terá uma importância considerável – falamos do novo Hotel de quatro estrelas e com 120 camas, cujo empreendimento teve início em Setembro de 2007, com um custo aproximado de sete milhões de euros, criando mais de duas dezenas de postos de trabalho, obra esta que vem colmatar uma lacuna existente na âmbito da oferta turística.

Devemos lembrar que ligado ao sector do Turismo da Saúde e do Lazer decorrem em bom ritmo as obras das Termas do Carapacho, obra no valor estimado em 1.5 milhões de euros as quais permitirão a reabilitação e certificação no tratamento terapêutico, melhorando as suas valências, virando-a para um nicho de mercado a explorar tendo sido lançado o processo de concessão da exploração das referidas Termas.

Ainda neste âmbito do turismo é de referir que já se iniciaram as obras de protecção do edifício das Termas, a requalificação das piscinas e aumento do solário, dignificando assim um espaço muito procurado na época estival. Também tiveram início recente as obras de melhoria dos acessos ao mar no Barro Vermelho, cujo valor da empreitada é de 150.000 mil euros.

Neste momento decorrem também as obras do Centro de Visitação da Caldeira, obra quer ultrapassará meio milhão de euros e que após a sua conclusão terá um papel muito especifico, na informação e divulgação do nosso monumento natural.

No espaço florestal de lazer na Caldeira estão em fase muito adiantada obras para o seu embelezamento, melhorando as suas infra-estruturas de apoio, um centro de divulgação florestal, sinalética e um percurso pedonal dando aos frequentadores deste espaço novas potencialidades paisagísticas e de conforto.

Senhor Presidente da Assembleia

Senhoras e Senhores Deputados

Senhoras e Senhores Membro do Governo

Na área agrícola continua a apostar-se no firme apoio às organizações de produtores, com o objectivo de diversificação dos vários serviços por elas prestados aos agricultores, nomeadamente na área da melhoria genética, contraste leiteiro, nutrição e alimentação animal.

Com o objectivo de melhorar o abastecimento de água à lavoura, far-se-á este ano um furo de captação e serão colocados novos reservatórios (Guadalupe) e substituídos outros já degradados (Luz e São Mateus).

Com vista a potenciar o crescimento de várias produções agrícolas foi decidido apoiar um projecto de modernização das instalações e equipamentos da Adega e Cooperativa Agrícola da Graciosa.

No âmbito da melhoria da rede de caminhos rurais foi aprovado o início dos procedimentos necessários às obras de beneficiação do caminho Barreiro/Vales, na freguesia de São Mateus, numa extensão de três km.

Durante esta visita Estatutária foi inaugurado o Picadeiro “António Maria da Cunha” cuja denominação vem homenagear postumamente um agricultor que na sua época foi inovador e apoiou os Graciosenses na área da medicina veterinária, apesar de ser apenas um curioso. Este empreendimento é propriedade da Associação Equestre Graciosense que contou com o apoio do Governo Regional e que prosseguirá o projecto para reforçar a sua actividade e infra-estruturar o espaço envolvente, criando um espaço multifuncional para as actividades produtivas da Graciosa.

Senhor Presidente da Assembleia

Senhoras e Senhores Deputados

Senhoras e Senhores Membro do Governo

Na área da Solidariedade Social foi apresentado o projecto de arquitectura da Creche, Jardim de Infância e Centro de Actividades Ocupacionais da Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz, cujas obras virão melhorar bastante o apoio às crianças e jovens com necessidades educativas especiais. Também foi decidido apoiar no montante de 150.000 euros a realização de obras de requalificação no actual Lar dos Idosos de Santa Cruz.

Ainda no âmbito do apoio à Terceira Idade vai ser apoiada a Santa Casa da Misericórdia da Paria na adaptação de quatro moradias para idosos menos dependentes.

Foi também autorizado a empreitada de construção de quatro habitações T3, duas no loteamento das Dores e duas no loteamento da Rua Barão da Fonte do Mato, todas destinadas a realojamentos.

Na área das estradas foi decidido dar os primeiros passos para a construção da ligação ao novo Centro de Saúde e o concurso para a empreitada de reabilitação da Estrada Regional Pedras-Brancas / Limeira, no montante estimado de um milhão de euros.

Senhor Presidente da Assembleia

Senhoras e Senhores Deputados

Senhoras e Senhores Membro do Governo

No sector das Pescas, devemos referir a inauguração do Porto e das Casas de Apresto, obras que muito beneficiarão os pescadores Graciosenses, para além do apoio na formação dos profissionais da pesca e da modernização da frota.

A pesca evoluiu de um total de capturas de 68 toneladas em 1996 para 148 toneladas em 2007, cujo valor passou de 111 mil euros para 1,2 milhões de euros, tornando esta área num importante veículo do desenvolvimento económico da Graciosa.

Sabemos que nem tudo está feito nesta área mas iniciar-se-á de imediato a construção da nova lota e mais Casas de Apresto para que todos os armadores sejam atendidos, assim como a colocação de um pórtico de varagem e de uma grua no Porto Afonso.

Com a continuação de todo este investimento para gerar riqueza e qualidade de vida, os Graciosenses estão convictos que o seu futuro será melhor.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Início da operação do Viking adiada para 13 de Julho


Ao contrário do que foi previsto pela Atlânticoline, o Viking só começará a operar nos mares dos Açores a partir de 13 de Julho.

O navio Viking, fretado pela Atlânticoline para fazer percursos inter-ilhas no Arquipélago, deverá começar a operação no próximo dia 13 e não no dia 11, conforme já tinha sido anunciado pela empresa de transportes marítimos açoriana.

O motivo do adiamento prende-se com um acidente, ocorrido ontem, com o piloto que iria fazer a ligação entre os portos de Liverpool e Ponta Delgada. O piloto teve mesmo a necessidade de ser assistido no hospital, sendo alvo de uma intervenção cirúrgica.

Na sequência destes acontecimentos, a Atlânticoline anunciou em comunicado oficial que o navio chegará aos Açores, no dia 11 de Julho, iniciando a sua operação na próxima segunda-feira, dia 13.

Entretanto, a empresa já está a contactar os passageiros com ligações marcadas de e para a ilha Graciosa, no próximo fim-de-semana, para que estas deslocações sejam feitas de avião.

Governo dos Açores dispensa gratuitamente Oseltamivir



O Governo Regional dos Açores iniciou hoje a dispensa gratuita de Oseltamivir às pessoas mais próximas de doentes confirmados de Gripe A H1N1, competindo ao delegado de Saúde definir quem é abrangido pela medida, em cada caso concreto.

«As unidades de saúde já têm os medicamentos para esse efeito», assegurou à Lusa fonte oficial da Secretaria Regional de Saúde.

Nos Açores já foram registados oito casos confirmados de infecção pelo vírus H1N1. A decisão de dispensar gratuitamente o medicamento aos contactos mais próximos dos doentes confirmados foi tomada pelo secretário regional da Saúde, Miguel Correia, tendo em vista reduzir a circulação dessas pessoas em locais públicos.

A medida pretende também facilitar o acesso ao medicamento e reduzir o impacto financeiro da sua aquisição nos agregados familiares mais carenciados.
A Secretaria Regional de Saúde decidiu ainda alterar as medidas de prevenção que estavam a ser aplicadas nos aeroportos açorianos.

«Até agora, fazíamos o rastreio de todos os passageiros de todos os voos que chegavam dos EUA e do Canadá, através de inquéritos e medição da temperatura auricular, mas a doença globalizou-se e as pessoas doentes podem chegar de qualquer lado», salientou a fonte contactada pela Lusa.

Face a esta globalização da Gripe A H1N1, as autoridades sanitárias regionais admitem que «não é possível rastrear todas as pessoas» que chegam aos Açores, pelo que foram decididas novas medidas.

«A partir de agora teremos equipas à chegada de todos os voos, em todos os aeroportos da região, que disponibilizam informações sobre o que fazer e como fazer no caso de se sentir com sintomas da gripe», frisou.


Fonte: Diário Digital

Nono caso de gripe A confirmado nos Açores


Foram positivos os resultados das análises da Gripe A (vírus H1N1), relativos à mulher de 66 anos que está em observação no Centro de Saúde da Graciosa. Neste momento, ascende a nove o número de casos positivos no arquipélago dos Açores.

A senhora em causa é um contacto próximo do homem de 82 de anos, também da Graciosa, que viajou no voo proveniente do Canadá na passada segunda feira e foi confirmado como portador da Gripe A, acaba de revelar a Secretaria Regional de Saúde, que poderá divulgar ainda os resultados de outro caso em investigação na Terceira.

Trata-se de uma mulher de 48 anos que deu entrada, hoje, no Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo. Esta senhora é um contacto próximo da mulher de 64 anos de idade, que foi também passageira do mesmo voo do Canadá.

Aguardam-se também os resultados referentes ao homem de 64 anos, residente no Pico, que está em observação no Centro de Saúde de S. Roque, e da senhora, da mesma idade, que se encontra no Hospital de Angra.


segunda-feira, 6 de julho de 2009

Caso de "Gripe A" em investigação na Graciosa


Há um novo caso em investigação nos Açores de Gripe A (vírus H1N1). Trata-se de uma mulher de sessenta e seis anos de idade, residente na Graciosa.
A senhora em causa é um contacto próximo de um homem de 84 anos de idade, também da ilha Graciosa, que viajou no voo proveniente do Canadá na passada segunda feira, e que foi confirmado como portador da Gripe A.
Entretanto, ontem, ficou a saber-se que foram negativas as análise relativas à criança de três anos de idade que está no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada. Esta criança era um contacto próximo da outra criança de treze meses que foi confirmada como portadora da Gripe A e que se encontra também em observação no Hospital de Ponta Delgada.
Recorde-se que foram, ainda, negativos os testes referentes à senhora de oitenta e dois anos de idade, que está internada no Hospital de Angra do Heroísmo.
Foi também negativo o resultado da análise referente ao homem de oitenta e três anos de idade que, entretanto, deu entrada ontem ao fim da noite, no Hospital de Angra do Heroísmo. Trata-se de um contacto próximo da mulher de 64 anos de idade, que permanece em observação no mesmo Hospital.
Estão agora dois casos em investigação nos Açores.


quarta-feira, 1 de julho de 2009

Inauguração do Hotel da Graciosa



O presidente do Governo dos Açores considerou o investimento feito no Hotel Resort da Graciosa, esta manhã inaugurado, “um investimento essencial basilar e que terá sem dúvida, um efeito reprodutivo muito saliente”, até porque se associa a outros investimentos em infra-estruturas graciosenses ligadas à actividade turística, como, por exemplo, nas termas do Carapacho.

Carlos César – que se disse muito feliz e orgulhoso pela concretização de mais este equipamento – manifestou a certeza de que o novo hotel “veio trazer á ilha Graciosa outra capacidade, outra dimensão e outra qualidade na resposta que a ilha pode dar, integrando-se nos circuitos turísticos regionais.”

Para o presidente do Governo, não se esgotam na sinalização da Graciosa como destino turístico as vantagens da entrada em funcionamento da mais recente unidade hoteleira dos Açores. Ela também reforça e impulsiona a actividade económica da ilha, gerando empregos directos e dinamizando actividades com ela relacionadas.

“É importante que estes investimentos tenham lugar, mas é sobretudo importante que eles sejam pensados e inseridos numa estratégia global”, disse Carlos César, acrescentando que, exactamente por isso, o Governo vai começar ainda este ano, conforme está previsto no seu próprio Programa, o chamado Plano Estratégico para a Coesão dos Açores.

Trata-se, como precisou, de “mais uma ferramenta estratégica e operacional que vai permitir – tal como fizemos hoje na ilha Graciosa – introduzir, de forma planificada, mais-valias que discriminem, ainda mais positivamente, as ilhas de menor dimensão, identificando, apoiando e incentivando novos segmentos de actividade económica em todas essas ilhas.”

O novo hotel, de quatro estrelas, dispõe de 120 camas, um restaurante para 100 pessoas, piscina e diversos serviços inerentes à sua categoria. Custou sete milhões de euros e vai ser gerido pelo INATEL, em conjunto com um grupo de empresários açorianos.


Fonte: GaCS

Presidente Carlos César inaugurou Picadeiro da Graciosa



O presidente do Governo elogiou hoje a “iniciativa empreendedora da Associação Equestre Graciosense” para a concretização do Picadeiro António Maria da Cunha, um investimento apoiado em mais de 90 por cento pelo Executivo Regional.

Com a inauguração deste picadeiro, complementado com uma infra-estrutura multiusos que vai permitir a realização de outras iniciativas associadas ao desenvolvimento rural, Carlos César mostra-se convicto de que o desporto equestre será mais um complemento para a afirmação da Graciosa como destino turístico.

Para o Presidente do Governo açoriano, “este investimento assume, simultaneamente, um papel de carácter pedagógico e também, por outro lado, uma infra-estrutura com carácter económico e reprodutivo e de referenciação e requalificação da ilha”.

O espaço vai ser valorizado e complementado com a construção, nos terrenos anexos, do parque de exposições da Graciosa, que se vai apresentar como um espaço dinamizador das actividades económicas da ilha “que agora estão muito revigoradas com a diversidade de investimentos que estão a ser realizados quer na área turística quer no que respeita aos transportes e mesmo na área da cultura”, realçou o Presidente do Governo.

O Picadeiro da Graciosa conta com uma área de 1350 metros quadrados cobertos, apropriados ao ensino do cavalo, das práticas equestres e da promoção da economia equina, para além da sua potencialidade para receber concursos pecuários, quer de bovinos quer de outras espécies de interesse zootécnico, fomentando o melhoramento genético e o desenvolvimento rural na ilha.

O espaço dispõe de outros anexos cobertos de apoio directo, como sejam as 22 boxes individuais para cavalos, um bar-restaurante para cerca de 200 pessoas, um quarto apropriado aos arrumos de arreios e de selas, espaço para a alimentação animal, duas salas para lavagens de cavalos, uma enfermaria, um quarto para tratador, uma sala de reuniões e um gabinete para técnico.

Esta estrutura serve ainda para impulsionar, animar e desenvolver a educação e o acompanhamento dos jovens, estando já a movimentar diariamente cerca de 40 alunos de todas as idades, a partir dos sete anos, dando-lhes experiência, segurança e conhecimentos de vida para o futuro.


Fonte: GaCS

Transportes são maior problema da Graciosa para o Conselho de Ilha



O tema dos transportes aéreos e marítimos de passageiros para a Graciosa foi o mais debatido no Conselho de Ilha, que marcou o final do primeiro de dois dias da visita estatutária do Governo Regional a esta ilha.

Numa assembleia constituída pelo Poder Local e por outros representantes institucionais, são colocadas directamente ao Governo algumas questões.

“Ficámos satisfeitos com a abolição das taxas aeroportuárias, que nos penalizavam face aos passageiros das ilhas maiores e também pensamos que o Governo ficou sensibilizado para a nossa reivindicação da tarifa única para quem visita os Açores”, afirmou Carlos Brum, presidente do Conselho de Ilha, em substituição do titular, Luís Reis.

A reivindicação de mais lugares nos voos para a Graciosa ficou atenuada com a garantia do Governo de que os velhos ATP ficarão a voar até à chegada, em Janeiro de 2010, dos novos Dash Q400.

No transporte marítimo de passageiros e viaturas, o Conselho de Ilha lamentou não ter tido uma resposta do Governo para as suas reivindicações de mais ligações à Graciosa e com melhores horários.

Por seu lado, Vasco Cordeiro, secretário regional da Economia, lembrou a “redução de tarifas no âmbito das novas obrigações de serviço público” para justificar, juntamente com o histórico de ocupação de 60 por cento, que as ligações aéreas à Graciosa não estão subavaliadas.

Quanto às críticas sobre o transporte marítimo, Vasco Cordeiro afirmou que 2009 é um ano “peculiar” e que, ultrapassada a contingência de só haver um navio quase até meados de Julho, a Atlânticoline irá garantir um reforço de ligações à Graciosa nos eventos de maior importância para a ilha.