domingo, 26 de julho de 2009

Decorrem em bom ritmo as obras de ampliação do Museu da Graciosa



Obras no museu da Graciosa orçadas em 920 mil euros. Este projecto prevê o aumento da área do espaço de 376 para 549 metros quadrados.


O projecto de intervenção no edifício de Santa Cruz onde, em 1983, aquela instituição abriu como Casa de Etnografia, prevê a ampliação das respectivas instalações de 376 para 549 metros quadrados.
A área útil a acrescentar às actuais instalações do museu, que comportará espaços de acolhimento – recepção/posto de turismo, cafetaria e loja – serviços administrativos, locais exposições temporárias e permanente e salas de reserva de Serviço Educativo, foi planeada para conviver com o edifício pré-existente, que alberga, e continuará a acolher, uma zona de exposição e interpretação de lagares e colecções etnográficas ligadas à vitivinicultura.
Em Setembro de 1978 e por proposta da Secretaria Regional da Educação e Cultura, foi adquirido o imóvel para a instalação do espólio etnográfico da Ilha Graciosa que, pouco a pouco, foi recolhido.
Em Janeiro de 1982, iniciaram-se as obras de consolidação e restauro do imóvel e sua electrificação, com supervisão da Direcção Regional dos Assuntos Culturais - departamento a quem coube as responsabilidades financeira e técnica.
O edifício foi inaugurado no ano de 1983 com um programa expositivo assente na etnografia. Foram encenados espaços ilustrativos da casa rural graciosense e das actividades que marcaram o passado sócio-económico da ilha: as culturas dos cereais e do vinho. Em 1991, o Museu da Graciosa alarga a sua expressão geográfica e passa a polinucleado, numa perspectiva de Ecomuseu. Foi nesse contexto que, durante a década de 90, foram constituídos outros núcleos: o Barracão das Canoas Baleeiras de Santa Cruz, o Núcleo Marítimo, o Moinho de Vento, a Tenda de Ferreiro e a Casa das Debulhadoras, local onde presentemente estão instaladas as reservas do museu.
O acervo patrimonial dos seis Núcleos do Museu da Graciosa é vasto e constituído por um conjunto diversificado de colecções, resultantes de alguns depósitos, aquisições e doações locais. Em termos cronológicos, vai do séc. XV até aos nossos dias.
As colecções dos núcleos do Museu da Graciosa, são de temática essencialmente etnográfica, com forte incidência nas actividades tradicionais da ilha, ligadas à agricultura, à vinha, à trituração de cereais, ao equipamento doméstico, aos ofícios antigos e à baleação.
Além das colecções etnográficas citadas, no museu existem ainda colecções de moedas, postais, fotos antigas e recentes, jornais antigos, documentos relativos à ilha Graciosa, livros e documentos de Direito do séc. XIX e XX, numismática, vestuário, armaria e condecorações.







Fonte: Expressodasnove.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário