sábado, 23 de fevereiro de 2013

Ilha Graciosa tem maior taxa de recolha de cartão e papel do país


O município da ilha Graciosa, recolheu em Dezembro de 2012 a maior quantidade de papel e cartão por habitante no país, um feito que o presidente atribui ao "trabalho pedagógico" desenvolvido porta a porta.


Os números da Sociedade Ponto Verde, entidade que organiza a gere a retoma e valorização de resíduos de embalagens em Portugal, indicam que em Dezembro último o município de Santa Cruz da Graciosa conseguiu recolher 66,8 quilos de cartão e papel por habitante, mais do que qualquer outra zona do país.

Para o autarca Manuel Avelar (PS), este sucesso resulta do "trabalho pedagógico feito porta a porta" nos últimos dois anos, vincando que apesar de "satisfeito" com os resultados obtidos numa ilha com 4.393 habitantes "há sempre algo a melhorar".

"Praticamente 100% das casas nós visitamos. Uma vereadora e os nossos técnicos do ambiente fizeram um trabalho de base, que continuamos no final do ano passado em algumas zonas", afirmou Manuel Avelar à agência Lusa, acrescentando que o município, em colaboração com o núcleo da Câmara do Comércio, voltou a escrever uma carta aos comerciantes locais, dado que "são eles os que mais produzem resíduos ao nível do cartão e papel".

O autarca referiu que na Graciosa, ilha classificada como Reserva da Biosfera, existem actualmente oito ecopontos, cobrindo todas as freguesias e localidades, sendo a recolha porta a porta feita todas as semanas.

Segundo Manuel Avelar, o lixo indiferenciado é recolhido à porta dos munícipes graciocenses às segundas, quartas e sexta-feiras, o cartão e papel às quartas, as embalagens às terças e o vidro às quinta-feiras.

"Continuamos a trabalhar para manter este 'ranking'. Somos poucos, mas muito empenhados", afirmou Manuel Avelar, acrescentando que na recolha do vidro o município foi o quinto a nível nacional em Dezembro de 2012.

A recolha selectiva na Graciosa começou a ser feita em 2011. Desde então, a autarquia tem apostado fortemente no despertar da consciência ambiental da população e em concursos para atrair a atenção dos mais novos para a importância da reciclagem.

O autarca reconheceu, também, que a abertura do Centro de Processamento de Resíduos da Graciosa, em Junho de 2012, contribuiu para despertar o cuidado com a separação do lixo e para que a ilha ficasse mais limpa, uma vez que foram encerradas várias lixeiras a céu aberto.

A obra, da responsabilidade do Governo Regional, custou cinco milhões de euros e faz parte de um conjunto de sete centros de processamento instalados em outras ilhas mais pequenas do arquipélago, que permitiram passar a valorizar localmente os resíduos orgânicos, sendo que os restantes são exportados para fora.

Lusa/ SOL
Fonte: Sol.sapo.pt
Publicado por: Jorge M. Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário