sexta-feira, 8 de março de 2013

8º Censo de Milhafres nos Açores a 23 e 24 de março



Foto: SPEA
Milhafre Buteo buteo rothschildi
 
Nos dias 23 e 24 de março decorre nos Açores o 8º Censo de Milhafres. No decorrer destes dois dias dezenas de voluntários voltam à estrada para contar os exemplares desta ave de rapina, a única diurna, existente nas ilhas onde ocorre regularmente (grupos central e oriental). O Censo de Milhafres é um projeto coordenado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e depende quase inteiramente do trabalho de voluntários. Apela-se à colaboração de todos os interessados.

Este censo decorre em paralelo nos Açores e na Madeira (onde esta ave é conhecida por Manta) e a recolha de informação é realizada sobretudo por voluntários. Para participar desta iniciativa não são necessários conhecimentos científicos nem experiência específica, para além de conseguir identificar um milhafre.

Ao longo das sete edições anteriores destaca-se o contributo de 576 cidadãos, sendo que muitos deles realizaram mais do que um percurso e participaram em várias edições. Este Censo fomenta o conceito da Cidadania na Ciência ou Citizen Science, como também é conhecida, que promove a participação de qualquer pessoa em acções científicas, aproximando-as desde modo da população e contribuindo para o maior conhecimento da população em geral.

Para além disso, o Censo de Milhafres é um importante contributo para identificar tendências populacionais da espécie, isto é se o seu número está a aumentar ou diminuir e alertar para situações de perigo desta espécie emblemática do arquipelago.
Em 2012, nos Açores, com o esforço de 169 voluntários foi possível avistar 552 milhafres nos cerca de 1800 km percorridos. No Arquipélago da Madeira o esforço dos 36 voluntários que percorreram cerca de 420 km permitiu registar 32 mantas.

Apesar do erro que está sempre associado a este tipo de dados recolhidos por grande número de pessoas, as populações desta espécie parecem estáveis quer nos Açores quer na Madeira, apesar das flutuações anuais que são sempre de esperar em populações selvagens. A recolha do maior número possível de dados é essencial para a obtenção de estimativas mais robustas.

Apela-se à participação de todos os cidadãos que queiram ser cientistas por um dia. Só com essa preciosa ajuda será possível obter estimativas mais fiáveis do número de milhafres existente no arquipélago.

Para mais informações consulte a página do projeto: http://www.spea.pt/pt/estudo-e-conservacao/censos-de-aves/censo-de-milhafres-mantas/

A SPEA agradece a participação de todos os voluntários e espera contar com todos uma vez mais! Marque já na sua agenda. Participe e divulgue!


Nos Açores esta espécie é conhecida por Milhafre ou Queimado, ocorrendo a subespécie Buteo buteo rothschildi. Na Madeira é conhecida por Manta e corresponde à subespécie Buteo buteo harterti. No território continental ocorre a subespécie Buteo buteo buteo.

Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves A SPEA é uma Organização Não Governamental de Ambiente que trabalha para a conservação das aves e dos seus habitats em Portugal. Faz parte da BirdLife International, uma aliança de organizações de conservação da natureza em mais de 100 países, considerada uma das autoridades mundiais no estudo das aves, dos seus habitats e nos problemas que os afetam. | www.spea.pt

Publicado por: Jorge M. Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário