quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Artigo de opinião "Contra tudo e contra todos" do Deputado José Ávila


O Orçamento Geral do Estado para 2013 foi aprovado esta semana na Assembleia da República. Ao que dizem os jornalistas e muitos especialistas na matéria, alguns da área política da maioria, este é o pior Orçamento de que há memória.

Na discussão deste importante documento verificou-se que os partidos desta coligação, que governa o país, cortaram a direito e fizeram orelhas moucas aos que escolheram as ruas para demonstrarem o seu descontentamento por estas políticas e também à oposição, que apresentou algumas propostas no sentido de aligeirar este sufoco fiscal a que vamos estar expostos no próximo ano, mas sem qualquer resultado.

Tem crescido o número de pessoas idóneas, de todos os quadrantes políticos incluindo os partidos que estão no poder, que se tem insurgido contra estas medidas ao ponto de as considerarem inconstitucionais e apelarem ao Presidente da República no sentido deste vetar o Orçamento, coisa que ninguém acredita, tal a passividade que o mais alto magistrado da nação tem demonstrado nos últimos tempos.

Os novos escalões do IRS vão provocar um aumento enorme de impostos que vamos começar a sentir já no início do próximo ano quando forem aplicadas as novas tabelas de retenção na fonte. O Governo da República fez algumas manobras de diversão no sentido de disfarçar este brutal aumento da carga fiscal, mas em 2013 só irá encontrar mais contestação e mais desilusão devido a este aumento desmesurado e disfarçado.

Os subsídios por morte foram cortados a metade do atual. O subsídio por doença será reduzido tal como o subsídio de desemprego, que será de mais difícil acesso. Alguns pensionistas pagarão mais impostos do que os trabalhadores no ativo.

E mesmo assim a economia vai encolher, o défice vai aumentar, o desemprego continuará a crescer e as famílias a empobrecer.

Graciosa, 29 de novembro de 2012.
José Ávila

Blog Oficial do Deputado José Ávila:  www.temponovo.blogspot.pt

Publicado por: Jorge M. Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário