sábado, 11 de fevereiro de 2012

Parque Natural da Graciosa vai ter parceiros para o desenvolvimento sustentável


O Diretor Regional do Ambiente defendeu sexta-feira, na ilha do Faial, um forte envolvimento das comunidades locais na vida de cada um dos nove parques naturais de ilha existentes no arquipélago.



A ideia foi avançada por João Bettencourt na apresentação do regulamento do programa “Parque Natural – Parceiro para o Desenvolvimento Sustentável”, que decorreu ao final da tarde no Jardim Botânico do Faial.


Segundo referiu na ocasião, a apresentação formal do regulamento de parceiro faz desta data “um dia especial” para os parques de ilha, já que a iniciativa concretiza, no caso concreto do Faial, o envolvimento da comunidade com o seu parque natural.


A partir de agora, acrescentou aquele responsável, o Parque Natural do Faial, que em 2011 foi distinguido com o Prémio EDEN – Destino Europeu de Excelência, passa a contar com 29 parceiros, sendo que, durante o corrente ano, o programa será alargado a todas as ilhas e a todos os parques.


Para João Bettencourt, a criação desta figura de parceiro do parque garante que as forças vivas de cada ilha se envolvam num grande projeto que passa por levar as nossas ilhas mais além, no âmbito da conservação da natureza, e por potenciar uma atividade económica em crescimento como é o turismo.


A existência de três ilhas (Flores, Corvo e Graciosa) classificadas com Reserva da Biosfera, a candidatura do Geoparque Açores à Rede Europeia e Global de Geoparques, a atribuição do Prémio EDEN ao Parque do Faial e a candidatura à Carta Europeia de Turismo Sustentável, apresentada pelo Parque de São Miguel para os concelhos do Nordeste e da Povoação, foram apontadas como exemplos do “relacionamento saudável que deve existir entre o turismo, uma atividade económica, e o ambiente”.


Esta é mais uma razão para o Governo Regional “estar satisfeito com esta iniciativa e pretender que a mesma seja alargada às demais ilhas”, garantiu o Diretor Regional do Ambiente, adiantando que, no caso da ilha do Pico, estão já em curso os “contatos iniciais” para que o programa se estenda à ilha-montanha.


Neste caso, o que pretendemos é favorecer um desenvolvimento sustentado, com o envolvimento de todas as forças vivas para, desta maneira, conseguirmos conservar o nosso património natural, por um lado, e, por outro, que os parceiros consigam desenvolver uma atividade económica com sucesso, acrescentou João Bettencourt.


Os parceiros dos parque naturais de ilha, com direito a usar “selo de identificação”, estão agrupados em quatro categorias: agências de viagens, empresas de animação turística e empreendimentos turísticos (Tartaruga), transportes (Cagarro), entidades produtoras agroalimentares (Morcego) e associações de desenvolvimento local, clubes desportivos, organizações não governamentais do ambiente e departamentos de ensino e investigação (Basalto).



GaCS

Publicado por: Jorge Gonçalves

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário