segunda-feira, 30 de junho de 2008

Museu da Graciosa promove animação de verão para o mês de Julho





O Museu da Graciosa promove, ao longo do mês de Julho, diversos concertos musicais enquadrados no projecto de animação de Verão deste organismo tutelado pela Direcção Regional da Cultura da Presidência do Governo.

No dia 10, pelas 22 horas, está agendado um concerto pela Filarmónica Recreio dos Artistas na Praça Fontes Pereira de Melo, numa organização conjunta com a Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa.

Realizam-se, neste mesmo local e horário, outros dois espectáculos, um no dia 24, pelo Grupo Folclórico de Guadalupe, e o segundo no dia 31 de Julho, pela Filarmónica União Progresso Guadalupense.

A música continua a marcar a agenda cultural de Julho com a realização, no Domingo, dia 6, pelas 21:30 horas, de um concerto - o dueto de piano “Valsas, Danças Húngaras e Lembrança Russa” com Violeta L´Dokova e Olga Kirillova, no Centro Cultural da ilha Graciosa, numa iniciativa da Associação Cultural, Desportiva e Recreativa da Graciosa (ACDRG), com o apoio do Museu da Graciosa e da autarquia.

Prevista para o dia 16, às 21 horas, também no Centro Cultural, está a encenação “Falar Verdade a Mentir” de Almeida Garrett montada pelo grupo “A Semente”, da ACDRG, numa iniciativa que conta com a colaboração do município graciosense.

Paralelamente, o Museu da Graciosa desenvolve ao longo de todo o mês o atelier de informática, a oficina “Velho e Novo” e ainda o workshop “Livros ilustrados: Ver e Fazer”, entre 14 e 16 de Julho.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Furna do Enxofre deve encerrar


A Protecção Civil dos Açores recomendou o encerramento da Furna do Enxofre, um dos principais pontos turísticos da ilha Graciosa, face aos níveis de dióxido de carbono «muito acima do admissível em termos de saúde pública», noticia a Lusa.

Para ver a animação clique neste cartoon e aguarde uns segundos.

O presidente do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores adiantou esta quarta-feira à agência Lusa que o alerta foi dado pelo Centro de Vulcanologia da Universidade, que tem instalado no local um sistema de monitorização, com sensores para medir, continuamente, a concentração do CO2.
Segundo António Cunha, os níveis estão mais do dobro do valor permitido, o que levou a Protecção Civil a sugerir de imediato à Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa o encerramento da Furna, desaconselhando visitas ao local, até estarem estabilizados os valores.

António Cunha explicou que se trata, porém, de um fenómeno que acontece, sobretudo, durante os meses de Verão, quando a ventilação é menor devido ao calor. A Furna do Enxofre, um dos principais pontos turísticos da Graciosa, encontra-se localizada na base da caldeira do vulcão central da ilha, a cerca de 80 metros abaixo do nível do solo.

De acordo com o Centro de Vulcanologia da Universidade dos Açores, o dióxido de carbono (CO2) é um dos principais constituintes dos gases vulcânicos e, na Furna do Enxofre, é libertado através da fumarola ali existente. O centro explicou ainda que concentrações de CO2 superiores a 10 por cento podem produzir inconsciência em poucos minutos e, a partir de 25 por cento, podem ocorrer convulsões e morte.


Fonte da notícia: IOL Diário

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Adjudicada requalificação do lugar da Beira-Mar da Vitória na ilha Graciosa


A Secretaria Regional da Habitação e Equipamentos adjudicou, por 305 mil euros, a empreitada de construção do Arranjo do Lugar da Beira-Mar da Vitória, na freguesia da Guadalupe, na Graciosa.

A intervenção tem um prazo de execução de seis meses e prevê a pavimentação, drenagem de águas pluvial, criação de espaços verdes, bancos em betão, sinalização e iluminação pública.

Foto de satélite da Beira Mar da Vitória, Ilha Graciosa
A obra insere-se na reforma da rede viária que o Executivo tem levado a efeito na actual legislatura. A Beira-Mar da Vitória é palco anualmente de festas religiosas e profanas que reúnem grande parte da população da Graciosa.

Fonte: GaCS

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Açores garantem operação na Graciosa de estação de monitorização de ensaios nucleares

O Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos da Universidade dos Açores vai assumir a responsabilidade da operação da estação internacional de infra-sons da ilha Graciosa, destinada à monitorização de ensaios nucleares.

A decisão sobre a matéria, anunciada pelo director regional da Ciência e Tecnologia após uma reunião com os responsáveis daquela unidade de investigação, surge na sequência de diligências nesse sentido desenvolvidas pelo Governo de Carlos César.

No encontro, João Luís Gaspar deu a conhecer o parecer o final da Autoridade Nacional da Comissão Preparatória da Organização do Tratado sobre a Proibição Total de Ensaios Nucleares (CTBTO), que apoiou a sua deliberação nas competências técnicas e científicas do Centro de Vulcanologia e na importância do projecto para a própria rede de monitorização sismovulcânica dos Açores.

Ultrapassadas todas as questões técnicas e administrativas deste complexo processo, estão reunidas as condições para se dar continuidade ao concurso para a construção da estação internacional na ilha Graciosa, cuja infra-estrutura ficará concluída ainda em 2008, indicou o director regional.

A estação de monitorização vai integrar a rede de observação mundial criada com o objectivo de garantir o cumprimento do estipulado no tratado para a proibição de ensaios nucleares, constituindo-se como um elemento potenciador de projectos de investigação científica baseados em tecnologia de ponta.


Fonte: GaCS

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Campanha de recolha de resíduos assinala Dia Mundial do Ambiente na Graciosa



O Museu de Graciosa assinala, quinta-feira, o Dia Mundial do Ambiente com uma campanha de recolha de resíduos que percorrerá as freguesias da ilha colectando pilhas, consumíveis informáticos, radiografias e trapos velhos, com o apoio da Assistência Médica Internacional (AMI).

O programa comemorativo inclui ainda a exposição “Limpar o Mundo, Limpar Portugal, uma Ilha Graciosa”, patente na Escola Básica e Secundária da Graciosa e a acção de sensibilização “Água, um Bem Precioso”, a realizar no lugar do Tanque, com vista à preservação da qualidade ambiental das nascentes e dos perímetros de protecção.

Outra das causas que o Museu da Graciosa vai celebrar, nos dias 11 e 12 de Junho, são os direitos dos animais, através da realização de duas palestra a cargo de Marlene Dâmaso e Ana Cristina Pereira, no Centro Cultural de Santa Cruz.

Incluídas ainda nestas comemorações, estão as encenações das peças “Minha Árvore, minha Casa”, no dia 11, às dez e às 13:30 horas, e “Clones e Clowns”, no dia 12, às 10:30 e às 21:00 horas no Centro Cultural pelo grupo de teatro “Encerrado Para Obras”.

Ambas as iniciativas contam com o apoio da Associação Cultural Desportiva e Recreativa da Graciosa – Ecoteca da Graciosa e Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa.


Fonte: GaCS

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Semana do Pescador na Ilha Graciosa




Texto integral da intervenção do subsecretário regional das Pescas, Marcelo Pamplona, no encerramento, sábado à noite na Graciosa, da Semana do Pescador:

“É, para mim, uma enorme honra estar hoje aqui, em representação do presidente do Governo dos Açores, a encerrar a Semana do Pescador e a poder testemunhar a evolução da organização colectiva de um sector tão importante da nossa economia marítima.

Gostaria também de aproveitar esta oportunidade para dirigir uma saudação muito especial à Direcção da Associação de Pescadores Graciosenses e a todas as demais pessoas e entidades envolvidas na organização desta Semana do Pescador, dedicada aos homens e mulheres dos Açores, que exercendo uma actividade profissional directamente ligada à actividade da pesca marítima, constituem um valioso património humano da nossa Região.

A pesca, com as suas gentes e as suas comunidades, constitui uma mais valia para a nossa Região.
Desde os primórdios da fundação dos Açores, a pesca tem-se revelado um pilar fundamental, não só para o abastecimento alimentar do nosso povo, como para a criação de riqueza e de emprego para um número muito significativo de famílias açorianas.

A comemoração do dia do pescador, evento que tem sido organizado anualmente pelas associações do sector e que já se tornou tradicional na nossa Região, não só tem constituído um importante momento de debate entre os profissionais das pescas, como também tem permitido que as diferentes comunidades piscatórias de todas as ilhas do nosso arquipélago reforcem o seu papel interventivo na definição de políticas para o mar.

O salto qualitativo que se verifica em todas as nossas organizações colectivas da pesca é sinal de que estamos no rumo correcto, que permitirá não só acelerar a renovação de mentalidades, como a assunção de maiores responsabilidades pelos profissionais do sector, no âmbito da gestão do das pescas da nossa Região.

A evolução da comemoração deste evento em termos de representatividade está, sem qualquer dúvida, associada também à evolução do próprio movimento associativo na nossa Região. Hoje, é com satisfação que verificamos que os pescadores e armadores já estão organizados na nossas ilhas e na nossa Região, num processo que é exemplar a nível nacional.

As associações da pesca são parceiros privilegiados do Governo Regional contribuindo activamente com as suas propostas para uma gestão das pescas que queremos que seja cada vez mais partilhada e responsável.

No entanto, o desenvolvimento do nosso sector das pescas só pode ser feito com a consolidação da organização colectiva dos pescadores no exercício da sua actividade profissional, situação que contribuirá não só para se aproveitar melhor as flutuações inerentes e típicas destes mercados, como até para se pescar melhor, de forma a que se obtenham mais valias nos circuitos de comercialização e se diversifique a actividade da pesca, garantindo a sua sustentabilidade futura.

Como o mar dos Açores tem grandes limitações e fragilidades, no que respeita à exploração dos nossos recursos pesqueiros, o Governo Regional continuará a estruturar politicas de defesa dos nossos direitos de pesca na União Europeia, com base em trabalho conjunto com a Federação das Pescas dos Açores e com o Departamento de Oceanografia e Pescas, para conseguir uma actividade de pesca adequada à capacidade da nossa Zona Económica Exclusiva.
Nesta matéria, o reforço da representatividade associativa dos nossos pescadores permitirá que, no seio da União Europeia, através dos Conselhos Consultivos existentes a nível comunitário, uma região ultraperiférica como a nossa, possa influir e partilhar até a forma como se fará a gestão de recursos nas nossas águas.

Temos por prioridade aumentar a produtividade e a competitividade dos nossos profissionais da pesca. Com o sucesso alcançado nas negociações com a União Europeia, conseguimos um regime de excepção que permite que continuemos a apoiar com verbas regionais a renovação da nossa frota de pesca até 2013, com base num plano de construção de novas embarcações, que estamos a elaborar em articulação com as associações da pesca, e que iremos apresentar à Comissão Europeia até ao final do corrente ano.

Continuaremos por isso a disponibilizar, nos próximos anos, verbas expressivas do plano, para desenvolver e modernizar a nossa frota de pesca, de forma a que a actividade da pesca seja exercida cada vez mais com melhores embarcações, melhores equipamentos e melhores motores, que permitam melhores condições de trabalho, de segurança e também de eficiência energética .

No âmbito da actividade das embarcações da nossa frota, quero realçar o empenho do Governo Regional em continuar a garantir um regime de apoio, de acordo com as normas comunitárias, que mantenha o preço do combustível para a pesca a um nível apropriado, que permita manter a rentabilidade económica dos nossos profissionais. Prova disso é o facto de, neste momento, o preço aplicado ao gasóleo pescas na Região, cifrar-se num montante inferior em cerca de 65% relativamente aos preços praticados noutras áreas do nosso País.


Uma verdadeira política para o desenvolvimento do sector das pescas deve ter sempre em conta o crescimento económico, a competitividade, o emprego, a protecção do ambiente e a segurança, e esta política só poderá singrar com o envolvimento de todos os parceiros do sector, sejam eles homens ou mulheres.


O Governo Regional está sempre disponível e ao lado das mulheres e homens do mar, para apoiar iniciativas colectivas, já que estas contribuem para o desenvolvimento de um sector que queremos que seja cada vez mais competitivo e autónomo.

Sei que, em conjunto, tal como temos vindo e como queremos continuar a trabalhar, iremos desenvolver e modernizar o sector das pescas da nossa Região.


Contem, por isso, connosco. O Governo Regional sabe que pode contar convosco





Fonte da notícia: GaCS