sexta-feira, 27 de março de 2009

Graciosa integra rede mundial de estações de monitorização climática



O secretário regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos assinou hoje, em Ponta Delgada, um protocolo para a colocação de uma estação meteorológica na Graciosa, no âmbito do Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos da América.

O contrato subscrito por José Contente visa a instalação, pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos, de uma infra-estrutura móvel de Investigação para Mediação da Radiação Atmosférica e Mudanças Climáticas.

Preparado para acolher e interpretar todos os dados da área da climatologia, o equipamento vai garantir uma importante contribuição para a comunidade de investigação internacional e para a pesquisa em mudanças climáticas, afirmou o governante, adiantando que, por essa via, a Graciosa passa a integrar a rede mundial de locais móveis de monitorização, uma das cinco a nível mundial.

Segundo o secretário regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos, a estação vem, também, reforçar os conhecimentos práticos do Instituto de Meteorologia, da Universidade dos Açores (UAç) e permitir “que os Açores usufruam dos conhecimentos mais avançados que há nesta área, que por exemplo, são importantes para a Protecção Civil”, sublinhou José Contente.

Este projecto de cooperação bilateral, através da Embaixada americana em Lisboa, constitui uma alavanca no desígnio de modernidade em que o Governo Regional está apostado, no âmbito da tecnologia e da sociedade da informação, comunicação e inovação, considerou.

Segundo José Contente, a estação da Graciosa contribuirá para a melhoria dos modelos climáticos globais através do desenvolvimento e teste de representações melhoradas de processos de radiação e de formação de nuvens.

A sua localização privilegiada ao aeródromo da ilha, escolhida por ser a mais plana do arquipélago, oferece uma oportunidade única para o estudo do sistema estratiforme de nuvens de baixa altitude sobre os oceanos subtropicais, que são pobremente representados nos modelos climáticos e causam grandes incertezas nas previsões de alterações climáticas, explicou.

Com a assintura do acordo para a instalação do equipamento cumpre-se mais uma etapa na concretização do cluster científico e tecnológico na Região Autónoma dos Açores, sendo que “não basta falar apenas da Sociedade de Informação e do Conhecimento, das vantagens das tecnologias e da modernidade, é preciso avançar com projectos concretos que assinalam e materializam esta nova fundamentação teórica e que servem, efectivamente os Açores”, nomeadamente em matéria de Ciência e emprego qualificado na Região, referiu.
Para José Contente, através deste projecto os Açores avançam no sentido de aceitar outros desafios que a Região quer ganhar “com parceiros credíveis, fortes” e que ajudem a lançar um novo quadro de referência que tenha em conta a cultura científica e tecnológica.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pelo vosso comentário